5 de julho de 2021

Work life balance: o que fazer para atingir o equilíbrio

Segunda-feira, 6h da manhã, toca o despertador. É hora de levantar da cama e começar mais uma semana de compromissos na vida profissional e pessoal. A semana é longa, corrida e nem sempre o final de semana é suficiente para compensar o cansaço acumulado. Essa corrida contra o tempo é a rotina de grande parte dos adultos profissionalmente ativos no Brasil. E encontrar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal é uma tarefa desafiadora e trabalhosa.

Mulher segura a cabeça demonstrando cansaço

Work life balance é um termo que surgiu nos anos 70 para designar essa busca pelo equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. E foi na era digital, que ele atingiu maior relevância; estamos conectados 24h por dia, 7 dias por semana. No celular, nos e-mails, nas reuniões virtuais, no home office ou no escritório, o acesso a informação e as atividades profissionais tornaram-se mais próximas e a divisão de tempo entre os compromissos do trabalho e a vida pessoal ficou indefinida. Mas o work life balance não é uma ciência exata que define uma quantidade específica de horas para o trabalho e para a vida pessoal de maneira igualitária, mas sim pela distribuição do tempo necessário à satisfação das necessidades específicas de cada pessoa.

>>> Dia do Orgulho LGBTQIA+: os desafios e o que fazer para incluí-los no mercado de trabalho

>>>5 livros indicados por líderes e executivos para se inspirar e alavancar a carreia. A quarentena e os dias em casa são uma ótima oportunida

Por isso, surgiu uma denominação mais ampla, o work life integration, ou integração entre a vida profissional e pessoal. Recentemente, Jeff Bezos, dono da Amazon, disse não acreditar em balanço ou equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Para ele, a vida é um “círculo”, no qual existe uma integração entre elas; se o funcionário está feliz na vida pessoal, estará bem no trabalho e vice-versa, sem separação entre elas. “Se estou feliz no trabalho, volto para casa com uma energia tremenda”, afirmou.

As consequências do desequilíbrio entre a vida profissional e pessoal podem ser muitas; aumento do risco de saúde, queda da produtividade, absenteísmo, fadiga, estresse e menor satisfação com o trabalho e a vida são alguns deles. E as empresas devem estar atentar a isso, assim como os profissionais estão cada vez mais atentos ao que elas oferecem, afinal, uma das maiores realizações dos funcionários de uma empresa é o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. De acordo com pesquisa divulgada pelo Great Place to Work em 2019, o segundo motivo mais relevante para retenção dos colaboradores em uma empresa é o equilíbrio de vida (35%), perdendo apenas para as oportunidades de crescimento (37%) – os demais itens avaliados foram: Estabilidade (4%), Remuneração e benefícios (10%) e Alinhamento de valores (13%).

Mas afinal, o que as empresas podem fazer para colaborar com o equilíbrio na vida de seus funcionários? Existem inúmeras formas de atingir esses resultados, mas a primeira delas é entender as necessidades de cada um, criando possibilidades de escolha. Naturalmente, as empresas não conseguem atender demandas específicas de cada profissional, mas pode desenhar caminhos que atinjam a maior parte deles e, para fazer isso, tem que ouvi-los. As atitudes mais comuns compreendem a flexibilização do tempo e das formas de trabalho – realidade no mundo de hoje, especialmente com a pandemia, onde profissionais têm tido maior flexibilidade de tempo no ambiente de trabalho e no home office – e a criação de serviços de apoio à vida familiar – especialmente benefícios de creche, educação, alimentação e refeição, por exemplo. As empresas que promovem o work life balance têm profissionais mais satisfeitos e são mais atrativas, gerando um maior compromisso do colaborador com a empresa que aumenta as taxas de retenção.

Mas nem tudo é responsabilidade da empresa. Nós temos uma parcela de compromisso para encontrar nosso próprio equilíbrio de vida. E existem estratégias para chegar lá. A primeira delas é a organização; se você quer ter tempo para tudo, é preciso planejamento. Só assim conseguirá trabalhar, fazer reuniões, ir à festa de final de ano do seu filho na escola e almoçar com os amigos na sexta-feira. Sem organização, a vida torna-se um caos incontrolável. Foco é outra estratégia importante; evite distrações e foque nas atividades planejadas para aquele momento. Só assim sobrará tempo para os momentos de lazer. E por fim, haja! É possível ter tempo para as coisas que são importantes para si. Mas a responsabilidade sobre o controlo desse tempo é sua e de mais ninguém.

Para atingir o equilíbrio ou a integração da vida é preciso rever hábitos, implantar mudanças no planeamento e organização do dia e querer mudar de fato. A vida nos leva ao caos, mas pare, respire e avalie o que de fato está valendo a pena. Com essas mudanças você viverá um dia a dia mais leve e prazeroso no trabalho e na vida.

Conteúdo postado originalmente na Coluna Carreiras e Mercado de Trabalho, de Felippe Pessoa, no site do Jornal do Commercio.

Autor: Felippe Pessoa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *