27 de setembro de 2021

Você sabe o que é uma carreira em Y? Especialista explica vantagens e desvantagens

A carreira profissional parece obedecer a um caminho previamente trilhado; tudo começa no estágio, segue para o cargo de assistente, analista, supervisor, coordenador e gerente. Desta forma, assumir um cargo de gestão é praticamente obrigatório e natural. Mas, muitos profissionais não têm interesse ou mesmo talento para gerir e desenvolver pessoas, o que acaba se tornando um fardo pesado de carregar. Por isso, a carreira em Y se tornou uma alternativa para aqueles que preferem se especializar em determinada área e continuar trilhando uma carreira de sucesso.

Algumas pessoas conversam sobre carreira

Nas últimas duas semanas, falamos aqui na coluna sobre evolução de carreira, como chegar a um cargo de gestão – tão desejado pela maioria dos profissionais – e o que fazer ao assumir esse cargo pela primeira vez. Para fechar o assunto, falaremos hoje sobre aqueles que optam por não seguir a carreira clássica e se tornam especialistas.

>>> Virei gestor, e agora? Quais os desafios e as armadilhas enfrentadas por quem começa na gestão.

>>> Brasil: o país do “bico”. Trabalho informal cresce no Brasil e é alternativa para muitos.

Tradicionalmente, o mercado trata o plano de carreira como algo linear com a ascensão do profissional em cargos pré-estabelecidos. Mas, os profissionais sem aptidão para gestão de equipes não podem, nem devem ficar estagnados. Nesse contexto, seguir uma carreira em Y ou um cargo de especialista é a melhor alternativa. A letra “Y” foi adotada pelo mercado por simbolizar dois caminhos, o do cargo de gerente ou do cargo de especialista, que sugere que o profissional tem habilidades técnicas relevantes em determinada área ou matéria. Esse modelo funciona bem por valorizar as competências do profissional, que acaba se tornando uma referência na área, uma espécie de oráculo daquele assunto para toda a empresa. Além do prestígio, o especialista consegue manter uma remuneração compatível ao mercado e se torna competitivo na hora de buscar novas oportunidades.

Existem especialistas nas mais diversas áreas. Entretanto, os cargos mais técnicos acabam sobressaindo e tendo um contingente maior de profissionais que escolhem seguir a carreira em Y. Sem dúvidas, a área de TI é a que mais tem profissionais que preferem seguir esse caminho. Grande parte deles tem uma visão inovadora e buscam novas soluções, mas não têm aptidão para cargos de liderança. Com conhecimentos cada vez mais aprofundados e um nível técnico relevante, os profissionais de TI conquistam maiores benefícios, mas continuam fazendo o que lhes dá mais prazer ― programar. O pernambucano Heitor Souza é formado em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP e é Engenheiro de Software Mobile da SumUp, multinacional que desenvolve soluções mobile para bancos. Para ele, “seguir a carreira de especialista me deu a oportunidade de conhecer cada detalhe do processo e me aprofundar tecnicamente na área. Hoje, consigo trabalhar em qualquer empresa do mundo com atuação na área, pois aprendi o processo de ponta a ponta.” Ainda segundo Heitor, se tornar gestor é uma possibilidade, mas não uma necessidade: “Agora que conheço bem o assunto tecnicamente, me sinto confortável para assumir um time. Ser especialista me deu bagagem para assumir esse novo desafio com mais segurança”, pondera.

Assim como qualquer caminho profissional, a carreira em Y tem vantagens e desvantagens. Aqueles que optam pelo caminho do especialista abrem mão de algumas coisas, mas têm vantagens em outras. Para o profissional, a carreira de especialista permite aprofundar os conhecimentos e trabalhar com o que mais tem afinidade, o que proporciona maior produtividade e mais prazer no trabalho. Por outro lado, o especialista corre o risco de se fechar em seu mundo e não trabalhar em sintonia com os objetivos da empresa como um todo. Além

disso, a falta de interação com outras áreas pode causar problemas de comunicação ou atritos com os colegas de trabalho.

No final das contas, a maior popularização da carreira em Y é positiva para o profissional e para a empresa. Para o primeiro grupo, a oportunidade de se especializar em um assunto, crescer com maior autonomia e liberdade e receber os mesmos benefícios dos que tem cargo de gestão é a melhor opção quem não se vê liderando e desenvolvendo um time. Para a empresa, é melhor ter um excelente especialista do que um gestor infeliz e que não leva o time a outro patamar. Sendo assim, vida longa aos especialistas que entregam o seu melhor para as empresas onde atuam: conhecimento e resultado

Conteúdo postado originalmente na Coluna Carreiras e Mercado de Trabalho, de Felippe Pessoa no site do Jornal do Commercio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *